Viés de confirmação

Saturday Morning Breakfast CartoonNum mundo de acesso rápido e quase ilimitado à informação, por que as pessoas se deixam enganar por produtos como colchões bioquânticos ou pulseiras harmonizadoras de energia? Não tenho uma resposta na ponta da língua, mas desconfio de algumas coisas.

Tomemos o recente caso dos boatos sobre o cancelamento do programa Bolsa-Família, por exemplo. Não sabemos quem originou a história, nem com que propósito em mente, mas observamos que 1- os boatos se espalharam como fogo em palha; 2- logo em seguida à confusão, dezenas de teorias conspiratórias sobre a origem dos primeiros boatos se espalharam com igual velocidade, cada uma suspeitando de seus alvos prediletos de antipatia. Todas tinham uma coisa em comum, entretanto: eram pura especulação sem base alguma em fatos. Quem acredita nesta ou naquela teoria sobre os boatos do Bolsa-Família o faz não porque tenha visto provas contundentes, ou porque esteja acompanhando de perto as investigações da Polícia Federal, mas porque calhou de encontrar uma ideia que confirme os sentimentos anti- ou pró-governamentais que já existiam em sua mente.

Suspeito que um processo semelhante ocorra com as famigeradas pulseiras Power Balance. Na seção de informações do site que as vende, seus fabricantes alegam que os hologramas especiais foram criados seguindo “as ideologias orientais sobre energias” (sic) e que, embora não possam provar que as pulseiras tenham qualquer espécie de benefício para a saúde (trecho, aliás, que foram obrigados a acrescentar pelo governo australiano), recomendam a seus usuários que decidam baseados em suas experiências pessoais. Ou seja, se o comprador estiver predisposto a acreditar que um holograma adesivo desenhado “de acordo com filosofias orientais” fará bem à sua saúde, bem, provavelmente ele vai comprar e usar o tal holograma. Se vai funcionar mesmo é outra história (dica: não vai).

Isso é o que se costuma chamar de viés de confirmação: nossa tendência a aceitar como corretas teorias, ideias, ideologias que reafirmem aquilo em que já acreditamos. É preciso ter um cuidado todo especial para filtrar essas ideias mais simpáticas. Dá trabalho e é muitas vezes desagradável questionar ideias que nos são confortáveis – mas uma das formas mais eficientes de construir conhecimentos úteis.

Mais sobre esse assunto no livro Pura Picaretagem, que escrevi em parceria com o jornalista Carlos Orsi, e que será lançado no dia 20 de junho na Livraria da Travessa do Shopping Leblon às 19h. Aguardamos vocês lá!

Tags: , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: