Não mudou o bastante

Versão curta

Começa bem e cai no final. Não por ter se distanciado de Jornada nas Estrelas, mas por não ter se distanciado o bastante.

Versão longa.

Quando soube que um remake da série clássica de Jornada nas Estrelas estava sendo feito, tive três certezas:

1 – Os fãs continuariam a chorar e ranger os dentes antecipando uma desgraça;
2 – A continuidade com o material anterior não seria respeitada;
3 – Haveria alguma espécie de viagem no tempo na trama.

Acertei nas três. Não que me importasse com alguma delas, pois não tinha intenção de ver o novo filme. As últimas tentativas no cinema e a maneira pífia como a última série de TV foi encerrada destruíram qualquer paixão que eu ainda nutria pela franquia.

Este novo filme, entretanto, prometia re-imaginar a série clássica e não se prender ao cânone anterior. Verdade seja dita, Jornada nunca primou pela coerência interna ou por respeito ao próprio cânone. Mas esse não é o ponto – J. J. Abrams realmente se propôs a desafiar tudo aquilo que sabíamos a respeito dos personagens e do universo.

E isso não foi ruim.

Ao contrário, o diretor não foi nada senão honesto e, tendo jogado o cânone pela janela, conseguiu juntar pedaços dele o suficiente para tornar a trama e os personagens reconhecíveis para os fãs. Os atores, aliás, estão quase todos muito bons – a caracterização de Karl Urban como Dr McCoy chega a assustar de tão perfeita e Zachary Quinto consegue impor um estilo próprio ao seu Spock e ao mesmo tempo permanecer fiel ao que conhecemos do cientista vulcano. A agradável surpresa fica por conta da moça que faz Uhura, que injeta uma nova vida a uma personagem que, apesar de conhecermos há quase 50 anos, quase nada sabíamos a respeito. Gostei particularmente da interpretação de Bruce Greenwood como Christopher Pike.

O filme começa muito bem, mostrando detalhes da juventude de Kirk e Spock e de como os personagens se conhecem. Há um nível de caracterização ali que eu confesso não ter esperado encontrar. A trama vai tomando um rumo interessante, até que um alerta soa na Academia da Frota e, por falta de pessoal, os cadetes são postos a bordo de todas as naves disponíveis para partir numa desesperada missão de resgate em Vulcano.

E aqui termina a parte do filme que eu gostei.

Do momento em que o alerta vermelho soa até o final do filme, J. J. Abrams começa a se levar a sério e o filme repete todos os clichês ruins da Space Opera, as mesmas tentativas de piadinhas, as mesmas gags de filmes de ação, o mesmo technobabble… e parece ficar o tempo todo se dando tapinhas nas costas pela esperteza. Opta pelo som e fúria e esquece o bom caminho que estava tomando. Oferece mais do mesmo e do manjadíssimo. Um porre de chato.

Em suma, torna-se o que Jornada nas Estrelas teve de pior desde 1993.

Não se trata de ser um fã rabugento aqui, mas de reconhecer que tiroteio, música alta e efeitos especiais não podem substituir caracterização e roteiro. Não precisava ser um lance todo sério e realista como o novo Battlestar Galactica. Bastava ser boa Space Opera, e podia ter conseguido.

Talvez uma nova franquia se inicie e talvez alguns desses erros sejam corrigidos. Duvido muito que eu esteja a bordo para conferir. Jornada nas Estrelas e eu mudamos muito desde que nos conhecemos e tentar reatar a relação agora depois de tantos problemas só traria mais dor de cabeça. Melhor reconhecer que não há mesmo chance de reatar o casamento e seguir com vida.

Além do mais, Battlestar Galactica acaba de me apresentar uma prima gostosinha e acho que pode rolar alguma coisa… :-)

Tags: , , ,

12 Respostas to “Não mudou o bastante”

  1. Luiz Felipe Vasques Says:

    A prima eu já vi primeiro… ;-)

    Mas é como eu te disse até… se fosse algum projeto totalmente novo, eu ia me amarrar.

    De resto, alguma hora eu vou tomar fôlego e falar o que eu achei de bom naquele filme, como o Karl Urban “channeling without effort”, como definiu o Peter David.

  2. Daniel Says:

    Cara, mas tem muita coisa boa nesse filme. Muita coisa MUITO boa, mesmo. Só que ficou um pastiche do meio pro final e aí cagou tudo :-P

    Acho até que vou editar a postagem acima para reforçar as partes que eu gostei.

  3. Luiz Felipe Vasques Says:

    De zero a dez, se possível for?

  4. Daniel Says:

    Cincão, mais meio ponto pela coragem de implodir Vulcano e mostrar a que veio. Pô, 5.5 já é melhor que que ST V – mas a média para passar de ano é 7.0 ;-)

    Aliás, só por completeza, eis os meus scores para cada filme:

    TOS

    ST the Motion Picture: 9.0
    A Ira de Khan: 9.0
    À Procura de Spock: 6.5, mas passou na recuperação.
    A Volta para Casa: 7.0
    A Fronteira Final: 4.0
    A Terra Desconhecida: 8.5

    TNG

    ST VII: 4.0
    Primeiro Contato: 6.9, mas passa sem precisar de recuperação.
    Insurreição: 5.0
    Nemesis: Zero.

  5. Carina Says:

    como você é benevolente, amor…
    to no três e caindo vertiginosamente…

  6. Luiz Felipe Vasques Says:

    Carina, eu sabia que vc não ia me decepcionar… :)

    Tou montando mais um post enorme sobre essa merda… tá difícil de exorcizar, somatizei e o escambau…

  7. Daniel Says:

    Hahahahahahahahaha!

    Cara, faz que nem eu… hoje já mal lembro daquela merda e estou bolando o nosso joguinho de BSG :-)

  8. Luiz Felipe Vasques Says:

    É, terá que ser por ai…

    Uma coisa que andei pensando…

    Sabe pq nego parece – a mim, ao menos – tão ávido por receber esse filme?

    A mesma coisa que os filmes do Batman do Tim Burton: os filmes que vieram depois foram tão piores que os dele passaram a parecer bons.

    Qual o referencial que se tem mais próximo desse Star Trek? Pois é. Pra muita gente, a salvação da lavoura…

  9. Daniel Says:

    Ué, mas foi o que eu disse para a Carina na saída do filme. Por mais merda que esse filme tenha sido, ele ainda consegue ser muito melhor que a safra recente de cinema e TV. Por si mesmo ele não se destaca, mas é uma… ahem… evolução.

  10. Luiz Felipe Vasques Says:

    É. Ahem.

  11. Luiz Felipe Vasques Says:

    Acho que finalmente entendi o que vc quis dizer com não se afastou o suficiente. Deveriam ter dado uma cortada seca, sem oferecer nenhuma explicação. Explicações podem ser conversadas, debatidas, e mesmo contra-argumentadas.

    Pra piorar ainda: o Fantasma das Cronologias Passadas está lá, e vivo. Ele não somente se lembra de tudo o que lhe aconteceu ou ao mundo que conhece, eventos inclusive que ocorrerão independente dos esforços da Federação, mas como evitá-los ou como contorná-los, sejam guerras entre outras nações, sejam eventos como V’Ger ou aquela sonda maluca do IV – é, aquela sonda maluca do IV, onde ele teve que viajar no Tempo para pegar uma baleia e salvar a Terra. Ele sabe como fazer isso. Ele tem o know-how. Ele não o faria por seu próprio mundo, sua raça e sua mãe… por que, mesmo?

    Porque simplesmente se os fãs não gostarem das mudanças, ele o poderia fazer em um filme próximo. Esse é o compromisso. Ele é a carta na manga. Ou deveria dizer, o compromisso em não se comprometer…

    Não tenha dúvidas. Para se manter a integridade da nova cronologia – em mais de um sentido -, simplesmente Spock… must… DIE!

  12. Daniel Says:

    O “não se afastou o suficiente” tem dois lados. Um é esse que você acaba de apontar, e creio que a longo prazo é o mais importante. Imediatamente, porém, tem a ver com o “mais do mesmo”: música alta e repetitiva, seqüências de ação que vão do nada para lugar nenhum, perseguições e piadinhas que não avançam a trama, etc…

    Bad Storytelling, enfim, do mesmo tipo que ST vem sendo submetida desde 1993 pelo menos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: